quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Teatro Arthur Azevedo reabre nesta sexta-feira (08) com programação especial


A maior casa de espetáculos da cidade de São Luís, o Teatro Arthur Azevedo, reabre na próxima sexta-feira, 08, com extensa programação em comemoração aos 200 anos da casa e com uma grande homenagem ao poeta do povo, João do Vale. A solenidade de reabertura inicia às 20h e será apenas para convidados.

Logo no início da solenidade autoridades, artistas, ex-diretores, escritores, personalidades da cidade e ex-funcionários do teatro visitarão a Exposição Alusiva aos 200 anos do Teatro Arthur Azevedo que reúne peças, objetos, gravuras e plantas da casa de espetáculo. O trabalho de pesquisa durou cerca de um ano e meio com visitas a personalidades, buscas no acervo do teatro, viagem para o Rio de Janeiro para visitar a Biblioteca Nacional e outros espaços de cultura nacional. A curadoria da exposição é de Carolina Ramos com ajuda dos pesquisadores Anderson Oliveira, Ângela Pereira e Magnólia Everton Costa.

Também durante a visita à Exposição os convidados prestigiarão cópias da coleção de gravuras de Arthur Azevedo. Além disso, no camarim nº 1, em que em 1854 nasceu a atriz Apolônia Pinto, também será montada uma homenagem à atriz com peças que falam sobre a vida da personalidade maranhense, tais como o livro “Apolônia Pinto e seu tempo”  de José Jansen.

 A Exposição ocupará diversos espaços do Teatro Arthur Azevedo proporcionando um tour pela casa reformada. Ainda durante a Exposição será lançado o livro “Teatro Arthur Azevedo: 200 Anos” escrito por personalidades maranhenses e nacionais, ex-diretores e funcionários, artistas, políticos e historiadores, além de engenheiros, professores de teatro, cantores dentre outros profissionais.

O foyer também será espaço para o lançamento da coleção Teatro da joalheria Rosa Rio inspirado nos 200 anos do Teatro Arthur Azevedo.

Após a Exposição acontecerá a grande estreia do espetáculo João do Vale – O Musical, uma produção do Teatro Arthur Azevedo com realização do Governo do Estado do Maranhão e patrocínio da Cemar por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

A produção durou cerca de um ano e meio e conta com cerca de 40 profissionais envolvidos desde a técnica até os atores.

O ator que interpretará João do Vale é o maranhense Vicente Melo , morador do bairro do Lira, que desde a adolescência dedica-se a composição de músicas da cultura popular. O compositor já participou de diversos concursos como o Festival de Música Popular de Pinheiro e o Festival de Música Carnavalesca do Sistema Mirante. Segundo Vicente Melo ele já teria escrito mais de 90 canções, sendo 20 delas gravadas por artistas locais. Agora ele se senti feliz por ter a responsabilidade de interpretar o poeta do povo que em muito se assemelha.

Além de Vicente Melo, também estão no elenco: Tiago Andrade (Zé Keti), Gisele Vasconcellos (Nara Leão), James Pierre (Zé Gonzaga), Juliana Cutrim (Dorinha), Marconi Rezende (Chico Buarque), Millena Mendonça (Domingas) e Victor Silper (Luiz Vieira).

O espetáculo continua em cartaz nos dias 09, 10,15, 16 e 17 de dezembro. Os ingressos estão sendo vendidos na bilheteria do Teatro Arthur Azevedo das 14h às 18h45. Para mais informações acesse cultura.ma.gov.br/taa ou ligue 32189901.


terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Mr Simple faz Show BarRockado


A banda Mr. Simple promete fazer uma noite bonita em homenagem à MPB com o show BarRockado. A banda elaborou releituras de grandes sucessos da música brasileira em versão rock and roll para a noite do dia 7, véspera do feriado nacional. A proposta conta também com a participação dos cantores Luciana Pinheiro e Khey Albert que somam seus talentos à Mr. Simple nessa generosa homenagem aos ícones da música brasileira.

A banda maranhense de pop-rock preparou arranjos especiais para os clássicos da MPB. O líder da banda, Paulo Pellegrini, comentou que a ideia do show Barrockado “é fazer uma espécie de coletânea rock de músicas consagradas nos bares”. No repertório, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Nando Reis, Ana Carolina, Jards Macalé, Roberto Carlos, Ednardo, Ney Matogrosso, Raul Seixas, Wando, José Augusto e também espaço para a nova geração Céu, Gaby Amarantos, Johnny Hooker e muito mais.

O Show BarRockado tem assinatura da Satchmo Produção e ocorre  quinta-feira, dia 7 (véspera de feriado)  no  Trutas Rangos Bar, na Av. Litorânea,  a partir das 21h30.

Serviço
O quê? Mr. Simple – Show BarRockado.Participações especiais: Luciana Pinheiro e Khey Albert.
Onde? Trutas Rangos Bar. Av. Litorânea, Calhau.
Quando? Quinta-feira, dia 7, véspera de feriado. A partir das 21:30 horas.
Quanto? R$ 20,00
Reservas de mesas: 981640488. Realização: Satchmo Produções.

Juju Carrapeta no São Luis Shopping





Com personagens curiosos e sonoridades das pastorais natalinas, o espetáculo  O mundo imaginário de Juju Carrapeta será apresentado neste sábado, na Associação Maranhense de Escritores Independentes (São Luís  Shopping), às 16h. 

O Choro ocupa a Praça do Letrado

Letrado é como chamamos qualquer pessoa versada em determinado assunto. Neste sentido não poderia haver palco melhor para os bambas que se reúnem na próxima edição do projeto RicoChoro ComVida na Praça, que acontece neste sábado (9), a partir das 19h, na Praça do Letrado, no Vinhais, com entrada franca e acessibilidade (todo o evento tem tradução simultânea em Libras).
A edição traz os artistas  Chico Saldanha e Fátima Passarinho, a .DJ Vanessa Serra e o Instrumental Pixinguinha.
Vanessa Serra  - Debutou como DJ em 2017. Colecionadora de vinis desde a adolescência, herdou da família o bom gosto musical e o apreço pelo Choro. Em pouco tempo já se consolidou como uma das mais importantes DJs da cidade, em um ambiente predominantemente masculino;

Instrumental Pixinguinha - Formado nos corredores da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (EMEM), por professores da instituição, no final da década de 1980, o Instrumental Pixinguinha se firmou como um dos mais expressivos grupamentos de Choro do Maranhão, tendo sido pioneiro no registro de obras de mestres do gênero nascidos no estado e de integrantes do grupo em seu disco de estreia, “Choros Maranhenses” (2006);

Chico Saldanha - O compositor rosariense estreou em disco em 1988, já despontando como um de nossos mais importantes criadores, com o sucesso da toada “Itamirim”, interpretada por Tião Carvalho. 10 anos depois lançou “Celebração” (1998), seguido por “Emaranhado” (2007). Este ano lançou “Plano B”, com participações especiais de Lena Machado, Milla Camões, Nosly e Zeca Baleiro.

Fátima Passarinho - ganhou o sobrenome artístico ao interpretar, no Festival Viva de Música Popular, em 1985, a música “Canto de Passarinho”, parceria de Gerô (1961-2007) e Domingos Santos (violonista do Instrumental Pixinguinha). Em 2007 ela lançou “Voos”, seu disco de estreia, em que gravou composições de Cesar Teixeira, Chico Maranhão, Giordano Mochel, Josias Sobrinho e Sérgio Habibe.
RicoChoro ComVida na Praça é uma realização de Eurica Produções e RicoChoro Produções, com patrocínio de TVN, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Serviço
O quê: RicoChoro ComVida na Praça
Quem: DJ Vanessa Serra, Instrumental Pixinguinha, Chico Saldanha e Fátima Passarinho
Quando: sábado (9), às 19h
Onde: Praça do Letrado, Vinhais
Quanto: aberto ao público
Informações: (98) 98192-0111

Projeto #FalaIema no Cine Praia Grande

O cineasta paulista João Paulo Miranda estará em São Luís nesta quarta-feira (dia 6 de dezembro), às 18h30, no Cine Praia Grande,  para participar do evento “#FalaIema”, momento em que o Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) recebe autoridades que tenham uma trajetória de trabalho e contribuição de grande relevância para a sociedade.
Na sessão serão exibidos seus três curtas-metragens:

- Command Action (2015) Selecionado na "Semana da Crítica" do Festival de Cannes
- A Moça Que Dançou Com o Diabo (2016, foto) Prêmio de Menção Honrosa na Competitiva Oficial do Festival de Cannes
- Meninas Formicidas (2017) Selecionado no Festival de Veneza

 Após a exibição haverá um debate com o público e estudantes da unidade vocacional do Iema - Escola de Cinema. A conversa terá como foco o fazer cinematográfico frisando a direção cinematográfica, onde João Paulo Miranda apresentará sua experiência nesse âmbito de uma forma dialógica e debatida com os alunos.

De acordo com o reitor do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Jhonatan Almada, a arte e a cultura são campos fundamentais que merecem mais valorização. “Entendemos que trabalhar a sétima arte é muito importante. Por isso, apostamos e investimos na Escola de Cinema do Maranhão e estamos abrindo oportunidades para todos. A meta é qualificar essa demanda para alcançar os princípios estratégicos do Instituto, que é democratizar o acesso à educação profissional e tecnológica, uma prioridade do Governo Flávio Dino”, disse o reitor.

A gestora geral da Escola de Cinema, Liviane Santana, reiterou a importância de propiciar que diversos apaixonados por cinema participem da iniciativa. “Os nossos alunos só têm a ganhar com a colaboração do cineasta João Paulo Miranda. Para nós é motivo de muito orgulho. O professor é uma referência no cenário nacional, pois está levando o nome do Brasil para festivais importantes no mundo todo. No âmbito da Escola de Cinema, sentimos muita satisfação, pois é um projeto novo e vai agregar muito ao nosso trabalho”, contou.
O evento é aberto ao público, com entrada gratuita, sujeita à lotação da sala.


Sinopses:

COMMAND ACTION, de João Paulo Miranda (Brasil, 2015)
Um garoto está comprando legumes para sua família em uma feira livre quando, de repente, algo muda em seu caminho.
Teaser: https://vimeo.com/125949593

A MOÇA QUE DANÇOU COM O DIABO, de João Paulo Miranda (Brasil, 2016)
Em uma sociedade conservadora e religiosa, uma garota vive sua rotina tentando encontrar o seu paraíso na Terra.
Teaser: https://vimeo.com/163185323

MENINAS FORMICIDAS, de João Paulo Miranda (Brasil - França, 2017)
No Brasil, "Meninas Formicida" são adolescentes do interior que trabalham em áreas de eucalipto. Elas matam formigas através de um pesticida, enquanto uma delas precisa lhe dar com uma gravidez indesejada. Ela vive num constante estado de medo, lutando contra uma mentalidade conservadora e machista.

Maloca Fanzine começa nesta quinta-feira


As bandas Catch a Fire, Planetário e o DJ Adaga (foto) abrem o  Maloca Fanzine, que vai acontecer todas as quintas-feiras no Fanzine Rock Bar (Beira-Mar), a partir das 21h.

O espaço aberto ao artista local e também ao artista de fora do estado abrangerá as diversas sonoridades que habitam a cidade e seus estilos. Música autoral, versões e o que couber na mundi-oca farão parte da roda semanal do Maloca.

Na pauta para fazer parte da programação estão Didã, Santacruz, Alkalines, Beto Ehongue, Berô, Marédecima, Severo - PI, Vórtice, Hermes Castro, Paulão, Mr Simple, Marcos Lamy, Azziz Jr, Radio Zion, Pedro Sobrinho, Emílio Sagaz, Núbia, James Brito - PI, Tito - SC, Lobo Siribeira, Régi Natureza,  Garatujus e muitos outros nomes.

A casa, localizada no Centro Histórico de São Luís, foi inaugurada em janeiro de 2017  já abrigou shows  nacionais e internacionais.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Nando Reis no “Luau Bora4” em São Luís


Cantor e compositor paulistano Nando Reis se apresenta em São Luís no dia 22 de dezembro, no Boracay (Av. Litorânea), iniciando em grande estilo o projeto “Luau Bora4”. Ele traz a turnê de seu muito elogiado pela crítica Jardim-Pomar, álbum indicado ao Grammy Latino 2017.

É possível adquirir o ingresso usando a solidariedade. No “Natal sem fome” da produtora 4Mãos Entretenimento, você doa uma lata de leite em pó e tem 50% de desconto na compra do ingresso de qualquer setor, mas vale lembrar que o desconto é apenas no valor do acesso e não no serviço. A promoção é válida apenas na compra de ingressos de inteira.  

No show, Nando Reis vai apresentar ao público as músicas inéditas do disco Jardim-Pomar, além de vários sucessos da longa carreira iniciada no começo dos anos 1980.

Teremos canções como Só Posso Dizer, Azul de Presunto, Pra Onde Foi, Inimitável, entre outras do novo disco, e hits inclusive regravados e tornados sucessos nas vozes de outros músicos, como Os Cegos do Castelo, Sou Dela, All Star, O Segundo Sol, Relicário e Marvin, de seus tempos de Titãs, banda na qual permaneceu por bons 20 anos.

Roger Velloso dirige o espetáculo e divide a concepção visual com Nando Reis. Ele conta que tudo foi montado com muita simplicidade, para mostrar uma perspectiva completamente nova do cantor para o público.

“Será um show muito pessoal, para mostrar, além das músicas, Nando Reis por inteiro”, conta Velloso. O espaço cênico foi montado com transparências que se sobrepõem, imagens em movimento e um projeto de luz que cria um jogo entre as imagens, as músicas e a plateia.

Durante o show, o público poderá ouvir sons pré-gravados (conversas, vozes, sons mecânicos, rotina, cotidiano, passos e bastidores) que dialogam com a performance de Nando e sua banda.

Ações da turnê
Nando Reis preparou duas ações especiais para a turnê do CD Jardim-Pomar. A primeira delas tem muito a ver com o nome do disco e a preocupação com o meio ambiente, que permeia os pensamentos do cantor. A ideia é distribuir ao público dos shows sementes de árvores nativas de cada bioma do país. Com isso, Nando quer criar consciência ambiental e alertar para a importância de se preservar e plantar.

A segunda ação será o lançamento dos discos ao vivo durante a turnê. Em parceria com a ONErpm, o cantor lançará um álbum por show para que os fãs possam acompanhar cada apresentação da turnê. Cada lançamento estará disponível em todas as plataformas digitais de Nando Reis, alguns dias após a realização do espetáculo.

Serviço
Os ingressos estão à venda na Bilheteria do BoraBar (Av. Litorânea), Loja Visótica (Tropical Shopping) e Loja Ingressando (São Luís Shopping). Área vip com serviços de salgados, custa R$ 90 e a Casadinha R$ 160, o Camarote, com serviço de salgados e frios, R$ 120 e a Casadinha R$ 220.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Definida a ordem dos desfiles de Blocos Tradicionais para 2018

CARNAVAL DE PASSARELA
Os blocos desfilam nos dias 9 e 10 de fevereiro, sexta e sábado.

A Associação Maranhense de Blocos Carnavalescos em reunião realizada na noite desta terça-feira (21), no auditório Rosa Mochel, do Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, e com participação de representantes dos blocos filiados a AMBC determinou a ordem dos desfiles dos Blocos Tradicionais dos Grupos A e B, com vistas ao carnaval de passarela de 2018.

Conforme o que rege o regulamento da entidade, que seja por sorteio, a definição da ordem dos desfiles. De acordo com o resultado oficial do carnaval de 2017, dos dois grupos. O desfile do grupo B, o concurso oficial será aberto por um novo integrante, ‘Os Imbatíveis’, seguido dos três que não desfilaram e mais três que desceram do grupo A.

Já o concurso oficial do Grupo A, na abertura terão os três blocos que obtiveram o acesso do B para o A: Fênix, os Coringas e Kambalacho do Ritmo.
A primeira rodada do sorteio ficou conhecida à ordem dos desfiles dos Blocos Tradicionais do Grupo B, e por seguinte a ordem dos desfiles dos Blocos Tradicionais do grupo A.

Segundo informações do presidente da Associação Maranhense de Blocos Carnavalescos do Maranhão – AMBC, a previsão que os desfiles tenham início a partir das 20 horas, na sexta-feira,  e às 19 horas, no sábado gordo de carnaval.

Ficou definida assim a ordem dos desfiles, com 16 blocos no grupo B, e 16 no grupo A.

Grupo B - Desfile da sexta-feira, dia 09 de fevereiro: Boêmios do Ritmo (não concorre), Os Imbatíveis, Tradicionais do Ritmo, Os Diplomáticos, Alegria do Ritmo, Os Gladiadores, Vinagreira Show, Os Guardiões, Os Guerreiros do Ritmo, Príncipe da Meia Noite, Os Inacreditáveis, Os Baratas, Renovação do Ritmo, Dragões da Liberdade, Os Vingadores, Gaviões do Ritmo e Companhia do Ritmo.

Grupo A - Desfile do sábado, dia 10 de fevereiro: Bloco da APAE (não concorre), Fênix, Os Coringas, Kambalacho do Ritmo, Príncipe de Roma, Os Tremendões, Os Trapalhões, Os Vigaristas, Os Feras, Tropicais do Ritmo, Reis da Liberdade, Os Vampiros, Os Apaixonados, Os Brasinhas, Originais do Ritmo, Especialistas do Ritmo e Os Foliões.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Encontro inédito tem o Maranhão no centro das atenções musicais



De acordo com o dicionário, Caçoeira é uma “rede de pesca usada na captura de lagostas no Nordeste do Brasil”. Este é também o nome do grupo anfitrião (foto acima) do terceiro sarau da temporada 2017 de RicoChoro ComVida na Praça, que acontece no próximo sábado (18), a partir das 19h, na Praça do Renascença, com patrocínio de TVN, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão, e realização de RicoChoro Produções e Eurica Produções.

No caso do grupo, a rede é tecida pelas cordas, couros e sopros e serve para captar sons, que vão do Choro aos ritmos da cultura popular do Maranhão, passando por diversos outros gêneros da música popular brasileira. Os pescadores de sons, que nos servem finas iguarias são um time de virtuoses dos mais destacados na cena chorística do Maranhão: Luiz Jr. (violão sete cordas), Wendell Cosme (bandolim e cavaquinho), Lee Fan (flauta e saxofone) e Wanderson Silva (percussão).

O quarteto, formado especialmente para a ocasião (mas a que apreciadores de Choro já desejam vida longa e além do projeto RicoChoro ComVida na Praça), participará de um momento inédito e histórico na música do Maranhão: será a primeira vez que as cantoras Célia Maria e Lena Machado dividirão durante um show inteiro o mesmo palco.

Cantoras de timbres e gerações distintas, mas apontadas como das mais talentosas do Maranhão em qualquer tempo, Célia Maria e Lena Machado (foto acima) já haviam se encontrado, entre outras ocasiões, em espetáculos como “Noel, Rosa secular”, homenagem coletiva pelo centenário do compositor de Vila Isabel, e durante os shows de gravação e lançamento de “Milhões de uns”, estreia do compositor Joãozinho Ribeiro em disco, além de homenagens ao compositor Antonio Vieira – ambos presentes ao repertório de sábado. Mas ainda não havia surgido a oportunidade de dividirem um show inteiro. É chegada a hora.

No repertório, um passeio entre bambas do Maranhão e do Brasil, entre os quais se destacam os compositores Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Joãozinho Ribeiro, todos já gravados por elas, além de Chico Maranhão. Elas também trarão ao palco, amostras dos discos que estão gravando: Célia Maria o segundo da carreira, Lena Machado o terceiro.

“Célia participou do show de lançamento de “Samba de minha aldeia” [segundo disco de Lena Machado], em 2010, no Teatro Arthur Azevedo. Foi um momento muito interessante, onde a gente compartilhou a música de seu Antonio Vieira, “A pedra rolou”, que é um momento que a gente pretende repetir nesse show, e nós também nos encontramos num show em homenagem a seu Antonio Vieira na Praça Maria Aragão, e ali nós compartilhamos no palco uma música dele, “O samba é bom”, outro momento que a gente vai repetir no show. O show tem essa perspectiva mesmo, de sintonizar um pouco o repertório. Célia tem canções que ela já gravou que eu gosto muito, tem canções que eu já gravei que ela também gosta, e ela fez questão de destacar algumas e a gente preparou algumas do meu repertório também, para ela fazer junto comigo. A gente está pensando em passar boa parte do tempo do show juntas no palco”, adianta Lena Machado.

A esta celebração da boa música, sobretudo a produzida no Maranhão, soma-se o DJ Victor Hugo, pesquisador e profundo conhecedor e colecionador, dono de um vasto acervo com os mais diversos registros fonográficos de artistas maranhenses. Como a produção musical do Maranhão sempre esteve impregnada de Choro, escancaradamente ou não, como atestado desde o inventário do Pe. João Mohana até os dias atuais, está garantido, desde já, mais um sarau de encontros únicos, com as melhores conexões musicais.

Serviço
O quê: RicoChoro ComVida na Praça
Quem: DJ Victor Hugo, Grupo Caçoeira, Célia Maria e Lena Machado
Quando: 18 de novembro (sábado), às 19h
Onde: Praça do Renascença
Quanto: grátis


Lendas de São Luís é tema do Sarau Histórico desta sexta-feira (17)


A cidade de São Luís é cercada por mistérios e lendas que são repassadas de geração para geração. Quem não conhece a lenda de Ana Jansen, que passeia pelas ruas do Centro Histórico na sua carruagem? Bom, se você não conhece, poderá ficar inteirado desta e de outras histórias no Sarau Histórico que a Prefeitura promove, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Setur), nesta sexta-feira (17). O evento, que traz como tema 'Lendas de São Luís', é gratuito e começará às 19h, na Praça Benedito Leite.

O Sarau Histórico integra o programa Reviva e tem a proposta de fortalecer a cultura ludovicense para os moradores da capital e para os turistas. A titular da Setur, Socorro Araújo, destacou que incentivar a cultura local significa atrair olhares de moradores de outras regiões. "A capital maranhense já causa encanto em todos devido às suas belezas naturais e acervo arquitetônico rico. Se a gente puder trazer a nossa história como mais um atrativo, é um ganho imensurável para a cidade", explica a gestora.

Em meio a poesias e músicas temáticas, o Sarau trará à tona as principais lendas da cidade interpretadas pela companhia Tramando Teatro, que pensa em uma linguagem lúdica para retratar a São Luís do passado.

Uma das mais conhecidas é a de Ana Jansen. A personagem teve a sua história modificada quando pesquisadores entenderam que, na verdade, a "Rainha do Maranhão" atraiu maus olhares por não aceitar os padrões da sociedade da época - quando as mulheres não podiam assumir funções de alta representatividade, fazendo com que histórias de cunho negativo fossem criadas a respeito delas.

Outra lenda bastante famosa é a da Manguda, que trouxe pavor e sobressalto às crianças e a considerável parte da população adulta de São Luís no século XIX. Deu origem à lenda a farsa idealizada e mandada executar por comerciantes envolvidos no contrabando de mercadorias - principalmente tecidos europeus - introduzidas no comércio local sem o pagamento dos tributos devidos. Eles começaram a disseminar a história de que uma figura fantasmagórica estava passeando pela cidade durante a noite, para facilitar o contrabando. Ela foi batizada de Manguda, em virtude de trajar chambre alvo, de mangas muito largas e compridas. O rosto estava sempre coberto por uma máscara, e da cabeça nascia uma nuvem de fumaça.

REVIVA

O Sarau Histórico faz parte do programa Reviva, que abrange ainda o Passeio Serenata e o Roteiro Reggae. Com programação fixa na cidade, as próximas edições do Passeio Serenata ocorrerão no dia 22 de novembro e 13 de dezembro, e o Sarau Histórico movimentará o Centro nesta sexta-feira, 17, e no dia 20 de dezembro, encerrando a programação deste ano do Reviva.

Turma do Quinto realiza segunda eliminatória neste sábado (18)

Após a realização da primeira eliminatória realizada na última terça-feira (14), a direção de carnaval da Turma do Quinto acelera os preparativos para promover a segunda eliminatória, que vai acontecer neste sábado, 18 de novembro, na sede da escola, localizada na Rua do Norte, Madre Deus.

A festa está programada para iniciar por voltas das 16h30, com  muito samba e pagode dos  bambas do Grupo Samba do Baú e Bloco Tradicional Os Foliões.

A apresentação das quatros propostas que vão concorrer na segunda eliminatória começa pra valer partir das 20h, na seguinte ordem: 01 – Paulo Cobra, Raul Silva e Paulo Junior. 02 – Gilvan Mocidade, Wallace Godinho e Zé Lopes. 03 – Adelson Ferreira. 04 – Franklin Hudson e Jeovah França.

A noitada termina em grande estilo com muito ziringuidum da bateria Explosão TQ, no embalo dos interpretes Gabriel Melônio, Franklin Hudson e Alessandra Loba.

Das quatro propostas apresentadas na primeira eliminatória, foram classificadas as seguintes parcerias: 01 – Luzian Filho e Josias Joca. 02 – Jailson Pereira e Alisson Ribeiro. 03 – Manoel Henrique.

De acordo com o calendário estipulada pela diretoria da escola azul e branco da Madre Deus, a grande final vai ocorrer no dia 25 de novembro, sábado, também na sede da escola, na Madre Deus.

Com o enredo ‘Dos versos do Guriatã, a Turma do Quinto canta as 27 aldeias de Upam Açú, a azul e branco da Madre Deus promete realizar um grande desfile no carnaval de 2018,em busca de mais um título.

SERVIÇO:
O QUE: Festa da 2ª Eliminatória da Turma do Quinto
QUANDO: Sábado, dia 18 de novembro, a partir das 16h30
ONDE: Sede da escola, na Madre Deus
ATRAÇÕES: Samba do Grupo Fundo do Baú, Bloco Tradicional Os Foliões e Show de Gabriel Melônio, com Franklin Hudson e Alessandara Loba, acompanhados pela Bateria Explosão TQ.
 

Rosely Vieira lança livro Empreendedoras Modernas


Acontece logo mais, às 19h, o lançamento do livro “Empreendedoras Modernas“ de Rosely Vieira. O evento será no Espaço Cultural e Livraria da Associação Maranhense de Escritores Independentes (AMEI), no São Luís Shopping. O lançamento do livro  integra a programação oficial da Semana Global de Empreendedorismo e vai ser a primeira obra a receber o Selo da Rede Memória Maranhão. A obra  é uma celebração ao dia do empreendedorismo feminino, instituído pela ONU-Organizção das Nações Unidas, a ser comemorado no dia 19 de novembro.

O livro conta história das mulheres empreendedoras  do Maranhão e trata da força da mulher que sonha, acredita e realiza.  São 23 histórias inspiradoras acerca  de mulheres que  empreendem em várias áreas no estado Maranhão. São elas: Amanda Hellen, Andressa Abrantes, Caroline Caracas, Dani Braide, Edna Montenegro, Edvânia Katia, Fernanda Amélia, Gisela Diniz, Guga Fernandes, Glícia gentil, Karine Belo, Iziane Castro, Jenilce Pavão, Joyce Franz, Livia Viana, Luzia Rezende, Liana  Piorski, Lorena Barbosa, Márcia Nadler, Rebeca Azulay, Renata Costa, Wal Oliveira, Wanda Cunha.Como define a escritora, o livro é uma excelente obra para quem deseja abrir um negócio ou mesmo  conhecer histórias de superação e sucesso.

Rosely Vieira é  mestre em Administração, integra a diretoria do Movimento Empreender Mulher-MEM, coach de mulheres com atendimento especializado a mulheres empreendedoras, Embaixador da Escola de Você, e Consultora e Imagem. Uma mulher empreendera e comprometida com suas ideias e seus ideais.

REDE MEMÓRIA – No dia do l6 também acontece a fundação da Rede Memória Maranhão, uma articulação de jornalistas, historiadores, bibliotecários e outros profissionais para o resgate e preservação da memória do Maranhão.


Espetáculo ‘Pão com Ovo’ vira tema de carnaval


‘Dragões vão ao teatro, Pão com Ovo é o Espetáculo’

O Bloco Organizado Dragões da Madre Deus, que já homenageou nomes de peso da nossa cultura popular, como Patativa, Humberto de Maracanã e Maestro Nonato, e para o carnaval de 2018, não vai ser diferente mostrando os nossos verdadeiros valores culturais.

Assim que a direção de carnaval da agremiação decidiu em levar para a Passarela do Anel Viário, a comédia ‘Pão com Ovo’, dos atores Adeilson Santo (Dijé), César Boaes (Clarisse) e Charles Junior (Zé Maria), dentro do tema ‘Dragões vão ao teatro, Pão com Ovo é o Espetáculo’, proposto pelo pesquisador, produtor e carnavalesco Darlan Oliveira.

Para compor o samba tema, foi escalada a pareceria vitoriosa dos sambas enredos da escola Flor do Samba, equipe composta por Hakã Silva, Leozinho Nunes, Lucas Neto e Darlan Oliveira. Com direção musical do interprete Ceceu Mix.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Favela promove final para eleição do samba enredo 2018

No clima do carnaval de 2018, a diretoria da Favela anunciou para próximo sábado, 11 de novembro, a partir das 20h, na quadra da escola no Sacavém, a realização da grande final do concurso de samba enredo, quando a nação favelense e o público conheceram o hino oficial a ser entoado no carnaval vindouro.

A noite festiva terá no roteiro as atrações musicais, grupo de pagode Tô Legal, Blocos Tradicionais: Os Imbatíveis, Os Brasinhas, Os Feras, Kambalacho do Ritmo, Os Apaixonados, e a bateria Carcará  da Favela do Samba.

Após a realização da eliminatória no último sábado (4), que teve a participação de quatro propostas, na qual foi eliminada a proposta de Darlan Oliveira, Lucas Neto, Hakã Silva e Leozinho Nunes. Assim vão para a final deste sábado (11), as seguintes propostas: 1 - Josias Filho e Luzian Filho/ 2 - Renato Dionísio/ 3- Gilvan Mocidade, Ze Lopes, Alex Brasil e Marcelo Chalvinski.

Para o carnaval de 2018, a Favela do Samba promete pisar forte na Passarela do Anel Viário, com o enredo sobre a coluna Prestes no Maranhão, intitulado de “Visões da Coluna Prestes: Nas Trilhas do Sul do Maranhão, uma Coluna Vertebrada, com Ossos feitos de sonhos e esperanças”, baseado na obra do escritor Sálvio Dino.

Serviço
O quê? Grande Final do Concurso de Samba enredo da Favela
Quando? Sábado (11), a partir das 21h
Onde? Quadra da Favela, na Av dos Africanos, Sacavem
Atrações Musicais: Grupos de pagode Tô Legal, Blocos Tradicionais: Os Imbativeis, Os Brasinhas, Os Feras, Kambalacho do Ritmo, Os Apaixonados e a Bateria Carcará da Favela do Samba.
Entrada Livre

1ª FeliS destaca escritores maranhenses com lançamentos de livros


O público da 11ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) vai ter a oportunidade de acompanhar o lançamento de 56 obras literárias, com destaque para 40 livros de escritores maranhenses. Os lançamentos vão acontecer no Cine Praia Grande, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho. A FeliS acontece de 10 a 19 de novembro em diversos pontos do Centro Histórico da capital maranhense e é promovida pela Prefeitura de São Luís e Governo do Maranhão.

Entre as temáticas abordadas nas publicações, quatro falam sobre a vida e obra da patrona do evento, a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis e sete outras são de literatura infantil. "A Casa do Escritor Maranhense é um dos espaços mais visitados dentro da Feira por conta do lançamento de livros. Para nós é imprescindível este apoio aos nossos escritores, que têm a oportunidade de lançar sua obra no maior evento literário de todo Maranhão", ressaltou o secretário municipal de cultura, Marlon Botão.

O secretário estadual de educação, Felipe Camarão, destacou o fomento à produção literária local. "A FeliS é um evento de grande importância literária, pois abre possibilidades para todos. Grandes escritores terão suas obras divulgadas e escritores independentes, que aproveitarão o espaço para o lançarem seus livros. Nesta edição, vários lançamentos estão previstos para ocorrer, o que estimula a produção literária em nosso estado e valoriza os nossos escritores", disse Camarão.

Nesta edição da Feira, a primeira romancista brasileira, a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis, será homenageada com o lançamento dos livros 'Maria Firmina dos Reis: Uma missão de amor', de Dilercy Adler (11/11, às 19h), 'Maria Firmina em Cordel', de Raimunda Pinheiro de Souza Frazão (12/11, às 16h), 'Úrsula - 6º edição', organizado por Eduardo do A. Duarte (15/11, às 18h) e 'Cantos à Beira Mar / Gupeva', de Dilercy Adler e Osvaldo Gomes (15/11, às 19h).

INFANTIL
Sobre literatura infantil, o livro 'Histórias, Fortuna do Céu' é uma coletânea com 12 histórias escritas por autores mirins com idade de 8 a 12 anos, que será lançada na terça-feira (14), às 16h. Os pequenos autores fazem parte do Núcleo de Enriquecimento para Estudantes com Características de Altas Habilidades ou Superdotação (NEECAHS), localizado na Rua de Santana (Centro), ligado à Secretaria Municipal de Educação (Semed). As histórias abordam vários temas como bullying, tolerância, respeito, lendas, reciclagem, tecnologia, entre outros.

Ainda sobre livros para a criançada, há as obras 'A lenda da carruagem encantada de Ana Jansen', de Beto Nicácio (12/11, às 17h), 'Balaiada - A Guerra do Maranhão - 2ªed.', de Iramir Alves Araújo (12/11, às 20h), 'As aventuras de uma gotinha d'água / O gatinho que não sabia miar', de Natinho Costa Fênix (13/11, às 17h), 'João, o menino cantador (biografia)', de Andréa Oliveira (16/11, às 19h), 'Diário Mágico: Um segredo para contar', de Sharlene Serra (18/11, às 16h) e 'A Bruxinha Lelenzinha e as cores', de Anízia Nascimento (18/11, às 18h).

LANÇAMENTOS DE LIVROS - PROGRAMAÇÃO COMPLETA

SÁBADO (11)
Título: Eles não fogem a luta! As valentes mulheres do Maranhão (de Catarina Mina a Roseana Sarney)
Autor: Lúcia Castro
Horário: 16h

Título: Revivescência: A vida e a arte dos Paula Barros
Autor: João Carlos Pimentel Cantanhede
Horário: 17h

Título: Fragmentos de mármore
Autor: Jeanderson de Sousa Mafra e Jean Kley Mafra Cruz
Horário: 18h

Título: Maria Firmina dos Reis: uma missão de amor
Autor: Dilercy Adler
Horário: 19h

Título: Festa no céu e outros contos
Autor: Joseane Maia Santos Silva
Horário: 20h

DOMINGO (12)
Título: Maria Firmina em Cordel / Homenagem às mães em cordel
Autor: Raimunda Pinheiro de Souza Frazão
Horário: 16h

Título: A lenda da carruagem encantada de Ana Jansen
Autor: Beto Nicácio
Horário: 17hs

Título: O vale das Trutas
Autor: Sanatiel Pereira
Horário: 18h

Título: Politicotopia
Autor: Aleluia Leonardo de Melo
Horário: 19h

Título: Balaiada - A Guerra do Maranhão - 2ªed.
Autor: Iramir Alves Araújo
Horário: 20h

SEGUNDA-FEIRA (13)
Título: Coletivo de literatura de Cordel
Autor: Escritores Mirins do Instituto Manaain
Horário: 16h

Título: As aventuras de uma gotinha d'agua / O gatinho que não sabia miar
Autor: Natinho Costa Fênix
Horário: 17h

TERÇA-FEIRA (14)
Título: Ciranda de Saberes: Percursos cartográficos e práticos artesanais em Alcântara e na Baixada Maranhense
Autor: Raquel Gomes Noronha; Andréa Costa; Gisele Saraiva; Marcio Guimarães; Raiama Portela
Horário: 15h

Título: Coletânea: histórias Fortuna do Céu
Autor: NEECAHS/SEMED - Escritores mirins
Horário: 16h

Título: Sou Benedito/Conto do dia/ Buba/ O mercenário
Autor: Diego Pires Araújo
Horário: 17h

Título: Abelhas Assassinas
Autor: Nygel Filho
Horário: 18h

Título: Coletânea de Crônicas "Escritores Maranhenses": 1955-1965
Autor: Josué Montello - CCJM
Horário: 19h

QUARTA-FEIRA (15)
Título: Esplêndido, o guará que não conseguia ficar vermelho
Autor: Claudio Lima
Horário: 16h

Título: Mata Roma: O Tântalo de Chapadinha (Biografia) com apêndice: visão histórica da literatura Chapadinhense
Autor: Herbert Lago Castelo Branco
Horário: 17h

Título: Úrsula - 6º edição
Autor: Eduardo do A. Duarte (org.)
Horário: 18h

Título: Cantos à Beira Mar / Gupeva
Autor: Dilercy Adler e Osvaldo Gomes
Horário: 19h

Título: Quando a Brisa do dia sopra
Autor: Olga Colvara Gomes de Sousa / Pseudônimo: Jani Munn
Horário: 20h

QUINTA-FEIRA (16)
Título: Lili Ifrit e o mundo dos humanos
Autor: Jaqueline da Costa Dutra de Morais
Horário: 16h

Título: Cenas escondidas de um trabalho árduo
Autor: Maria Goreth Cantanhede
Horário: 17h

Título: Palavras de um pequeno poeta Cordel
Autor: Renato Lucas Pereira Gomes
Horário: 18h

Título: João, o menino cantador (biografia)
Autor: Andréa Oliveira
Horário: 19h

SEXTA-FEIRA (17)
Título: Receitas da Vovó Lourdes - 3ª edição
Autor: Maria de Lourdes
Horário: 16h

Título: Um olhar inclusivo sobre o ensino das ciências e de matemática
Autor: Fabio Henrique Silva Sales e Regiana Sousa Silva
Horário: 17hs
Entidade: Academia Maranhense de Letras - AML / Lançamento das reedições 2017
Horário: 18h

Autor - Título:
Antonio Lopes - Os novos atenienses
Artur C. Moreira - Gomes de Castro, Benedito Leite e Urbano Santos
Domingos Vieira Filho - Breve história das ruas e praças de São Luís
Hastimphilo de Moura - Da primeira à segunda República
João Mohana - Maria da tempestade
Josué Montello - Cais a sagração
Nauro Machado - Erasmo dias e noites
Raimundo Lopes - O torrão maranhense
Reis Perdigão - Revolução de 1930 no MA

Título: São Luís em palavras
Autor: Celso Borges
Horário: 19h

Título: Uma charge do Brasil
Autor: Francisco das Chagas
Horário: 20h

SÁBADO (18)
Título: Diário Mágico: um segredo para contar
Autor: Sharlene Serra
Horário: 16h
Entidade: Academia Maranhense de Letras - AML / Lançamento das novas edições 2017
Horário: 17h

Autor - Título:
Adelman Correia - Meus dias na cadeia
Alex Brasil - Sangue Azul
Bandeira Tribuzi - 10 estudos
Cícero Monteiro de Sousa - O Newton do Brasil
Ivan Sarney - Congresso das garças
José Ewerton - O entrevistador de lendas
Laura Rosa - Poesia reunida
Lino Moreira - Casa, crônicas e outras memórias
Lourival Serejo - Casa Blanca
Ronaldo Costa Fernandes - A literatura na cidade
Waldemiro Viana - Maria Celeste da terra e do mar

Título: A Bruxinha Lelenzinha e as cores
Autor: Anízia Nascimento
Horário: 18h

Título: Contramaré
Autor: Samara Volpony
Horário: 19h

Título: Maranhão 666
Autor: Ramusyo Brasil
Horário: 20h

DOMINGO (19)
Título: Música para afogamentos
Autor: Arnaldo Vieira
Horário: 16h

Título: Alto de Pinho e Anil - Parceiros inesperáveis e o segredo da família Gonzaga
Autor: Jorge Fernandes
Horário: 17h

CCVM apresenta programação no mês da consciência negra


Em novembro, mês da consciência negra, o Centro Cultural Vale Maranhão apresenta programação com expressões culturais e atividades que possuem forte relação com a cultura afro-brasileira no Maranhão.

A programação é gratuita e contempla todos os públicos. Confira:

Pátio Aberto
O programa Pátio Aberto traz neste mês shows de samba, choro e música afro. As apresentações acontecem sempre aos sábados com artistas e grupos maranhenses.

11 de novembro – O cantor e compositor Heriverto Nunes (foto abaixo) apresenta o show Olha Pemba! às 18h. No repertório, sambas autorais que têm inspiração na religiosidade afro brasileira, e no hibridismo da cultura popular maranhense.


18 de novembro – Choros do Maranhão, show do grupo Cantinho do Choro (foto abaixo), apresenta exclusivamente choros de compositores e artistas maranhenses.



25 de novembro – O Bloco Afro Akomabu, primeiro bloco afro do Maranhão, apresenta o show Zumbi está vivo, mostrando a identidade étnica e cultural do povo negro.

Conversa Aberta
No dia 14 de novembro acontece conversa aberta com o tema Maria Firmina hoje: trajetórias de educadoras e intelectuais negras no Maranhão.


O evento integra a programação da Feira do Livro de São Luís 2017 (FeliS), e é uma em parceria com a Fundação Vale, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Conselho Municipal das Populações Afrodescendentes (COMAFRO).


Mundinha Araújo (jornalista), Rosane Borges (jornalista), Maria de Lourdes Siqueira (pedagoga), Leda Maria Bezerra (professora) e Diane Sousa (bacharel em Direito) se reúnem no CCVM para falar sobre suas trajetórias enquanto intelectuais e educadoras negras.


A resistência da escritora Maria Firmina dos Reis como romancista, abolicionista e intelectual negra no século XIX, é o ponto de partida para o debate.


A conversa será gratuita e aberta ao público.


Ocupa CCVM
Continua aberta à visitação, a exposição Ocupa CCVM 2017 com trabalhos dos artistas Wilka Sales, Ribaxé, Vicente Martins, João Ewerton e uma instalação com cenários e figurinos das montagens do grupo Coteatro. As visitas podem ser feitas até o dia 12 de dezembro, de terça a domingo, das 10h às 19h. Grupos podem fazer agendamento prévio pelo e-mail agendamento@ccv-ma.org.br.

Serviço
O quê: Programação do CCVM em novembro
Onde: Centro Cultural Vale Maranhão, Av. Henrique Leal (R. Direita), 149 Praia Grande – Centro
Todas as atividades do CCVM são gratuitas e abertas ao público

Roteiro Reggae conta a história do reggae no Maranhão

Ruas e praças que lembram o reggae, salão de beleza para quem gosta de se produzir com os melhores penteados afro e, claro, as 'pedras' que fazem sucesso com os reggaeiros: esses são apenas alguns atrativos do Roteiro Reggae, evento da Prefeitura de São Luís realizado pela Secretaria Municipal de Turismo (Setur). O passeio pelas ruas do Centro Histórico parte nesta quarta-feira (8), às 19h, da Praça Benedito Leite e todos estão convidados a conhecerem mais sobre a cultura do ritmo mais popular da ilha.

A concentração começa na praça Benedito Leite e seguirá pela rua da Palma, Beco da Pacotilha, rua do Giz, praça da Faustina, rua Humberto de Campos, rua da Estrela, rua da Alfândega, beco Catarina Mina, rua Portugal, passando pela rua Trapiche e finalizando o trajeto na praça dos Catraeiros.


JAMAICA BRASILEIRA

Por ser um ritmo que atrai multidões em São Luís, o reggae se incorporou à cultura local. Atualmente, estima-se que existam mais de 200 radiolas - grupos musicais que contam com DJs e grandes estruturas de som. A relação próxima da cidade com o ritmo rendeu o título de Jamaica Brasileira, sendo reconhecido pela gestão municipal e incentivado por eventos como o Roteiro Reggae.

O evento faz parte do Reviva, programa da Prefeitura de São Luís que tem movimentado o Centro da cidade, com, além do Roteiro Reggae, o Sarau Histórico e o Passeio Serenata. Todos são voltados para distribuir a riqueza cultural da capital maranhense para turistas e moradores locais.

Último espetáculo teatral do Circuito Especial do Palco Giratório do Sesc acontece nesta quinta


Pela primeira vez o Sesc no Maranhão entra no roteiro do Circuito Especial do Palco Giratório, que busca homenagear artistas e grupos que contribuíram para o desenvolvimento das artes cênicas no Brasil. Em comemoração aos 20 anos do projeto, o Circuito Especial recebe a Tribo de Atuadores “Ói Nóis Aqui Traveiz”, importante grupo de teatro da cidade de Porto Alegre. Finalizando a programação em São Luís, que também integra a 12ª Aldeia Sesc Guajajara de Artes, o grupo apresenta o espetáculo “Evocando os mortos – Poéticas da Experiência”  (foto acima) nesta quinta (9), às 18 horas, na Guest House.

A Tribo de Atuadores “Ói Nóis Aqui Traveiz” possui uma trajetória de mais de três décadas, onde desenvolveu uma estética própria, formada a partir de pesquisa, estudo e experimentações, estabelecendo um novo modo de atuação. A determinação em pôr em prática novas linguagens fez o grupo se destacar ao seguir caminhos nunca trilhados na história das artes cênicas brasileira.

Na quinta-feira, dia 9 de novembro, às 18 horas, na Guest House, acontece a segunda apresentação da companhia: a desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da Experiência”, com a Tânia Farias, da Tribo de Atuadores “Ói Nóis Aqui Traveiz”. A performance constitui um olhar sobre as discussões de gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo.

O grupo, durante o intercâmbio em São Luís, participou também apresentou o espetáculo Caliban – A Tempestade” (foto acima) e ministrou ações formativas como a oficina “Vivência com A Tribo” e o Pensamento Giratório sobre “A censura no Teatro Brasileiro durante a Ditadura Militar”.

A 12ª Aldeia Sesc Guajajara de Artes acontece até o dia 9 de novembro em diversos espaços da capital e busca inovar e diversificar o circuito cultural local com uma agenda que integra artes visuais, artes cênicas, literatura, dança, circo e música, incluindo expressões da cultura popular regional. E para expandir essa iniciativa, esta edição do festival celebra os 20 anos do Palco Giratório, projeto do Sesc que promove a difusão das artes cênicas no Brasil. A programação completa é gratuita e pode ser acessada https://aldeiasescguajajaradeartes.blogspot.com.br

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Exposição na Galeria Trapiche reflete sobre tolerância e respeito ao próximo


Fica em cartaz até o dia 27 de novembro, na Galeria Trapiche Santo Ângelo, a exposição "Corpo Quântico de Unicidade", do artista plástico maranhense Miguel Veiga. A mostra reúne 24 esculturas feitas a partir de formas copiadas no corpo do artista e desconstruídas para dar novas formas, trazendo a tona temas como igualdade, tolerância, gênero, censura, criminalização artística e o corpo nu. A Galeria, equipamento cultural da Prefeitura de São Luís, fica localizada na Avenida Vitorino Freire - Praia Grande (em frente ao Terminal de Integração), aberta para visitação de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h.

O artista contou como a mudança do seu próprio corpo motivou a compor a exposição. "Tudo começou a partir do meu corpo e da mudança dele, as transformações que ele passou ao longo dos meus 62 anos. Isso sempre me impressionou e eu fui gostando desse corpo, achando bonito o formato e o volume, e fui percebendo também que eu não envelheço sozinho, todo mundo envelhece. Ao estudar Ciência da Educação me aprofundei em disciplinas filosóficas a partir de alguns pensadores que falam da unicidade e do pensamento complexo, então entendi que o que me fascinava não era só a mudança do meu corpo, mas a mudança de todos, porque somos iguais", disse Miguel Veiga.

Para ele, a exposição vem instigar a uma reflexão sobre a unicidade, em que todos fazem parte de um todo. "Todos somos fios de uma teia e cada um é responsável pelo equilíbrio dela. A partir da unicidade, poderia existir a tolerância e o respeito pelo outro. Precisamos pensar nessa harmonia cósmica. Biologicamente somos todos iguais, somos pó diante do universo, somos quânticos. Então, para quê tanta intolerância?", completou.

FORMAS
A exposição entrou em cartaz no fim do mês de outubro e na oportunidade foi exibido o vídeo "Miguel Veiga", com direção de Beto Matuck e realizado pela Guarnicê Produções, por meio de um projeto desenvolvido pelo Museu da Memória Audiovisual do Maranhão (Mavam) através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Maranhão. O vídeo retrata a vida e obra do artista, que além de esculturas, sua produção artística inclui pintura e desenho, performances, instalações e intervenções, ambientações, decorações e consultorias. Para compor a exposição em cartaz na Galeria, o artista demorou cerca de um ano, sendo que ela já está pronta há dois anos e foi aumentando neste período.

"O Miguel é um artista com uma trajetória de 40 anos e para nós é de grande importância ter um artista como essa bagagem para expor na Galeria. Esta mostra é um trabalho inédito e não são as obras comerciais dele, é um trabalho voltado para sua filosofia de vida, aquilo que ele acredita. Além disso, ações como esta nos convidam a refletir como nós somos e que fazemos parte de um todo, ampliando os conhecimentos de quem visitar este equipamento público", destacou a diretora da Galeria Trapiche, Camila Grimaldi.

Miguel Veiga é licenciado em Desenho e Artes Plásticas e especialista em Educação Artística pela Universidade Federal do Maranhão. O artista também é especialista em Artes Visuais pelo Senac, mestre em Pedagogia Profissional pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) em parceria com o ISPETP, instituição educacional sediada em Cuba, e doutorando em Ciências da Educação pelo Instituto Ideia e Universidade Americana, parceria entre Brasil e Paraguai.

Alunas do município preparam espetáculo de ballet baseado em contos infantis


O grupo de ballet formado por alunas da rede municipal de ensino está intensificando os ensaios para a apresentação do espetáculo do programa 'Dançando e Educando', que será realizado pela Prefeitura de São Luís, nos dias 16 e 17 de dezembro. Intitulado "Para Ler e Dançar", a produção será baseada em histórias da literatura infantil universal, como 'Chapeuzinho Vermelho', 'Branca de Neve', 'A Formiguinha que Aprendeu a Dançar', entre outros contos. O espetáculo conta com a participação de mais de 200 bailarinas, de 4 a 14 anos e será a primeira grande apresentação pública para a maioria das alunas que integram o projeto.

Sob a coordenação geral da primeira-dama de São Luís, Camila Holanda, idealizadora do projeto, os ensaios estão sendo realizados diariamente para encantar o público nos dias de apresentação do grupo. As coreografias são assinadas pela coordenadora do programa Débora Buhatem e pelos professores Milliane Moreira e Cleo Junior, bailarinos renomadas na área.

" O Dançando e Educando é um projeto pioneiro da Prefeitura de São Luís, uma inovação da gestão do prefeito Edivaldo, que oferece aos estudantes, no contraturno da rede municipal de ensino, aulas de ballet. Então se a criança estuda pela manhã ela faz as aulas de ballet à tarde e vice-versa. O programa está no segundo ano de execução. Ano passado os estudantes tiveram oportunidade de se apresentar ao público da Feira do Livro de São Luís e este ano a Prefeitura resolveu fazer um grande espetáculo, tendo em vista que os alunos já estão com dois anos de aulas práticas, teóricas, de repertório clássico e mais preparados para essa grande apresentação", disse a primeira-dama, Camila Holanda.

A adaptação das histórias infantis aos espetáculo de dança conta com figurinos especiais feitos sob medida para cada bailarina. Nos ensaios já estão sendo repassadas também informações sobre o cenário, demarcação de espaço, luzes, entre outros aspectos referentes à apresentação.

A bailarina Débora Buhatem, professora do projeto, destacou a importância social do "Dançando e Educando", como incentivo à pratica da dança clássica. "Poder compartilhar os ensinamentos que recebi ao longo da minha carreira como bailarina é uma felicidade muito grande. A dança clássica exige muita disciplina e determinação e isso percebemos que as meninas integrantes do projeto têm de sobra. Estamos orgulhosos de realizar um espetáculo tão grandioso com crianças que possuem apenas um ano de ballet. Percebemos nas crianças a empolgação e a vontade de crescer cada vez mais, pois a dança tem essa magia de trazer sonhos, objetivos e alegrias", relatou Débora Buhatem.

Sofrência em alto nível com as patroas

São Luís se prepara para receber pela segunda vez a “Festa das Patroas”, dia 17 de novembro, com as irmãs Maiara e Maraisa e a diva da sofrência, Marília Mendonça em um palco 360° com passarela de 40 metros. Na sua última apresentação na cidade, Marília deixou bem claro no início do show. “Aqui são proibidas três coisas. Não pode chorar, nem vomitar e nem ligar pro ex ou pra ex de jeito nenhum”, disse, ao anunciar a noite de sofrência que estava por vir.
Tudo indica que a dose será repetida e com mais sucessos no estacionamento do São Luís Shopping e dessa vez com a possibilidade do encontro com as amigas Maiara e Maraisa.

Marília Mendonça
Se acha que é só, Marília não perde tempo em seus shows e brinca de verdade com os fãs sobre relacionamento. Por exemplo, na Festa do Peão em Barretos, ela perguntou o seguinte. “Quero fazer uma pergunta meio tensa, mas preciso que vocês respondam com sinceridade. Tem alguém aqui que nunca deu certo com ninguém na vida? Então nós estamos juntos”, declarou ao receber inúmeras mensagens positivas, afinal, sofrer de amor? Quem nunca, não é mesmo?

Maiara e Maraisa
Depois de um ano sem se apresentarem em São Luís, as gêmeas mais queridas e admiradas do Brasil estão de volta prometendo não economizar no repertório, aos que não se lembram, o hit “10%” foi o responsável pela projeção nacional da dupla. Assim como Marília, as irmãs também têm um discurso na ponta da língua para encorajar mais ainda as mulheres e em especial ao movimento que levantam a bandeira, o “feminejo”.
Também na Festa do Peão, o principal evento sertanejo que por muito tempo só contava com apresentações de cantores homens, a cantora Maiara desabafou sobre as tantas rejeições quando ela e a irmã tentavam demonstrar seu talento e provar que o sertanejo também pode ser feito por mulheres.
“Eu tenho que agradecer muito a Deus e aproveitar cada segundo que eu estou nesse palco porque não foi fácil, Brasil. A gente já ouviu demais que mulher não ia estar nesse palco, que os homens de chapéu não iam baixar pra ouvir música de mulher nenhuma. Que a mulher não ia fazer a diferença no sertanejo. Quebramos regras e obstáculos, acreditamos que o Brasil é justo, é pra todos. Barretos é justo. Vivemos um momento histórico”, disse.

O encontro
Mas é fato afirmar, tanto um show quanto outro, teremos inúmeros sucessos. Como por exemplo “Tem sorte que você beija”, “Sem Tirar a Roupa”, “Medo Bobo” e a sofrência de “No Dia do Seu Casamento”. Fora isso, o tradicional encontro das patroas que misturam sucessos não apenas de suas carreiras, mas também de outros artistas, como por exemplo, um funk. 

Ingressos – Os ingressos estão à venda na Loja Ingressando (São Luís Shopping), Visótica (Tropical Shopping), Loja Degraus (Shopping da Ilha e Rio Anil Shopping). Também é possível comprar on-line no site www.ingressando.com.br. A arena custa R$ 70 e a área vip R$ 130, com consumação de 03 fichas de gelados e open de salgados. Já o Lounge R$ 200, com consumação de 06 fichas de gelados e open de salgados e frios.

Serviço
O quê: Festa das Patroas com Marília Mendonça e Maiara e Maraisa
Quando: 17 de novembro
Onde: Estacionamento São Luís Shopping
Informações: (98) 3016-6663
Realização: 4Mãos Entretenimento

Música, teatro e dança são destaques desta terça-feira na 12ª Aldeia Sesc Guajajara de Artes



A programação da 12ª Aldeia Sesc Guajajara de Artes desta terça-feira, dia 7 de novembro, inicia às 10h, no Sesc Centro, com o Pensamento Giratório, atividade de ação formativa integrante do Palco Giratório que consiste em um espaço aberto ao público para reflexão e discussão sobre o trabalho e pesquisa dos grupos itinerantes. A ocasião contará com a participação de Paulo Flores da “Tribo de Atuadores Ói nóis aqui Traveiz/RS”, trazendo a discussão sobre “A censura no teatro brasileiro durante a ditadura militar”, onde será abordado um dos piores momentos da história do teatro brasileiro, devido à repressão e à censura exercidas pelo regime ditatorial.

O cinema continua como atração na programação do festival, o Cine Praia Grande recebe a “Mostra Brasil em Cena”, onde será exibido o filme “As melhores coisas do mundo”, com indicação para 14 anos, às18h. Logo após, às 20h, tem o drama “A beira do caminho”, com classificação para 12 anos. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados no local do evento com 1 hora de antecedência.

Ainda nesta terça-feira acontece o show de lançamento oficial do CD “Pé de Tamarino” (foto acima), da Santa Ignorância Cia de Artes, com músicas de Lauande Aires interpretadas pela cantora Dênia Correia, às 18h, no Teatro da Cidade de São Luís. Composto por 12 músicas, o show apresenta a versatilidade da cantora Dênia Correia que, através de sambas, bumba meu boi, reggae, baião, baladas e boleros, busca reinstaurar as memórias dos quintais, encontros, sabores, saberes e afetos. Este show é resultado do projeto de mesmo título gravado entre 2016 e 2017 e reitera a inspiração na imponência da árvore e na acidez de seu fruto, sem perder a doçura residente no azedume. O álbum “Pé de Tamarino” está disponível no Soundcloud de Dênia Correia.

Às 19h30 acontece o espetáculo de dança-teatro “Frida” (foto abaixo) com o Núcleo Atmosfera Dança Teatro na Galeria Trapiche. A apresentação é resultado de anos de pesquisas sobre a vida e obra de umas das maiores artistas de todos os tempos, Frida Kahlo, mulher livre, revolucionária, rebelde e à frente do seu tempo que transmite essa personalidade em suas obras. O espetáculo é indicado para maiores de 16 anos.

A 12ª Aldeia Sesc Guajajara de Artes acontece vai até o dia 9 de novembro em diversos espaços da capital e busca inovar e diversificar o circuito cultural local com uma agenda que integra artes visuais, artes cênicas, literatura, dança, circo e música, incluindo expressões da cultura popular regional. A programação completa é gratuita e pode ser acessada https://aldeiasescguajajaradeartes.blogspot.com.br

sábado, 4 de novembro de 2017

São Luís será capital da literatura com a realização da FeliS promovida pela Prefeitura e Governo


A identidade racial e de gênero estará no centro dos debates da 11ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS), que será realizada de 10 a 19 deste mês, das 10h às 22h, na Praia Grande. A romancista maranhense Maria Firmina dos Reis, referência por quebrar barreiras, se destacar numa área onde homens dominavam e ter marcado em seus escritos a postura antiescravagista, é patrona do evento. Esta edição da feira - realizada pela Prefeitura de São Luís em parceria com o Governo do Estado - vai se concentrar na obra da escritora e outras literaturas de referência afrodescendente.

"A Feira do Livro de São Luís é um importante instrumento que incentiva a cultura local e se soma às muitas ações realizadas pela nossa gestão que tem trabalhado no sentido melhorar nossos indicadores educacionais. Devemos articular os diversos segmentos em um momento único em prol da nossa educação e cultura, valorizando os escritores maranhenses e aproximando a comunidade dos livros", enfatizou o prefeito Edivaldo destacando ser a Feira um grande expediente literário da cidade.

A grandiosidade da FeliS se traduz em uma das mais referenciais manifestações culturais maranhenses e representa a memória histórica de berço da literatura que é a capital, pontuou o governador Flávio Dino. "São Luís, que já foi a Atenas Brasileira, tem neste evento o resgate das boas produções, a descoberta de novos talentos e, sobretudo, um espaço para os autores e nomes das nossas letras. Nós acreditamos na leitura como um patrimônio de um povo, meio de desenvolvimento e construção social. A feira reflete todo este contexto e exalta nossa cultura e população", enfatizou o governador.

A FeliS terá 40 estandes de livreiros, 10 espaços para sebos, 10 performances poéticas, sete intervenções artísticas, 60 contações de história, sete espetáculos circenses de rua, uma orquestra e 55 lançamentos de livros. São esperados mais de 200 mil visitantes e venda de mais de dois milhões de livros, a fim de superar o evento do ano passado. Criada pela Lei Municipal, nº 4. 449/2005, a Feira do Livro de São Luís é ferramenta de fortalecimento da vocação e produção literária maranhense.

"É uma grande satisfação estarmos envolvidos neste evento de referência para a literatura maranhense, que este ano traz um projeto específico para os estudantes da rede pública e vem se consolidando como um fomento ao turismo. Mais uma vez, uma parceria de resultados entre as duas gestões", enfatizou o secretário de Estado de Educação (Seduc), Felipe Camarão.

ESTÍMULO

Para estimular o consumo literário, será entregue o vale-livro, uma das principais ações da edição. Serão R$ 300 mil reais em recursos a serem destinados aos alunos da rede pública de ensino municipal e estadual. O passaporte literário, que será disponibilizado pelo Governo, será distribuído na própria escola, a partir de critérios, e poderá ser trocado por livros durante a Feira.

"O simbolismo desta edição reforça o esforço das gestões pela educação, pela leitura e pelo reconhecimento da literatura maranhense. A FeliS é construída no princípio da ação participativa e na democratização social e cultural da cidade", destacou o secretário municipal de Cultura (Secult), Marlon Botão.

Para o titular da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), Diego Galdino, "a Reira representa a diversidade e riqueza da produção literária local, que não pode ser esquecida e tem neste evento seu espaço de celebração".

DEBATES

A FeliS é um espaço para o debate sobre as produções do negro e conquistas ao longo dos tempos, pontuou o secretário de Estado de Igualdade Racial (Seir), Gerson Pinheiro. "É o momento mais oportuno para esta deferência e resgate das figuras históricas do movimento negro. E uma mulher negra é mais que merecedora dessa homenagem", ressaltou. A secretaria foi a articuladora para a escolha de Maria Firmina dos Reis para patrona do evento.

"A participação nesta feira nos alegra e reforça ainda mais o compromisso com o estímulo à leitura e divulgação das produções literárias do nosso Estado. É um evento muito significativo para nossa instituição, do qual não poderíamos deixar de apoiar e nos dedicar. E será mais um evento de grande sucesso", pontuou a diretora de Programas Sociais do Sesc, Regina Soeiro. A instituição é correalizadora da FeliS.

A Vale, também parceira, vai contribuir, entre outros, com a cessão do Centro Cultural da empresa para as atividades da feira. "A empresa tem em sua filosofia contribuir com a valorização do que é genuinamente maranhense e a Feira é uma referência cultural e espaço diferenciado da literatura, aos escritores e produtores da arte local", disse o diretor de Relações Institucionais da mineradora, Dorgival Pereira.

O evento tem parceria da Vale, Sesc, Associação dos Livreiros do Maranhão (Alem), Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Federação das Indústrias do Maranhão (FIEMA), Rede de Museus Educadores e Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM).

PROGRAMAÇÃO CULTURAL

Mais de 100 atividades estarão disponíveis na 11ª FeliS, incluindo palestras, teatro, rodas de conversas, exposições, mostras de cinema, sarau e café literário, entre muitas outras atrações. Um dos destaques, o Espaço Sesc, vai divertir o público, principalmente as crianças, com as contações de histórias, música, dramatizações, dança, pintura de rosto, oficinas, dobraduras, apresentações de projetos das escolas municipais, brincadeiras e jogos educativos e ainda momento de autógrafo com escritores maranhenses.

A programação da FeliS ocorrerá na Casa do Maranhão, Galeria Trapiche, Portugal e Estrela, no Cine Praia Grande, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praça Nauro Machado, Escola de Cinema (IEMA), Beco Catarina Mina, estacionamento da Câmara Municipal, auditório da Defensoria Pública do Estado do Maranhão, auditório da Associação Comercial do Maranhão, o Teatro João do Vale, Anfiteatro Beto Bittencourt e Biblioteca Pública Benedito Leite, entre outros.

SAIBA MAIS
Patrona
Maria Firmina dos Reis demonstrou sua afinidade com a escrita ao publicar 'Úrsula' em 1859, primeiro romance abolicionista e primeiro escrito por uma mulher negra brasileira. O romance a consagrou como escritora e também foi o primeiro romance da literatura afro-brasileira, entendida esta como produção de autoria afrodescendente. Em 1887, no auge da campanha abolicionista, a escritora publica o livro 'A Escrava', reforçando sua postura antiescravista. Este ano marca o centenário de morte da maranhense.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Riqueza, diversidade, tradição e modernidade marcam 9ª. edição do Lençóis Jazz e Blues Festival em São Luís

                                                                  Nivaldo Ornelas

Em sua nona edição, o Lençóis Jazz e Blues Festival já é um evento consolidado nos calendários musical e cultural do Maranhão, a cada ano com edições seguidas, uma acontecendo em Barreirinhas, e a outra na capital maranhense. A etapa São Luís, este ano, acontece nos próximos dias 9, no Fanzine Rock Bar (Praça Manoel Beckman, Av. Beira Mar, Centro), 10 e 11 de novembro, na Concha Acústica Reinaldo Faray (Lagoa da Jansen).

Homenagem a Belchior – A abertura do festival, dia 9, às 19h, será realizada no Fanzine Rock Bar, com o lançamento da biografia “Belchior: apenas um rapaz latino-americano” (Editora Todavia, 2017), com a presença do autor, o jornalista Jotabê Medeiros. Ele participará de um bate-papo e autografará o livro, em noite que terá dois shows: “Tributo a Belchior”, com Marconi Rezende, Milla Camões, Tássia Campos e Tutuca; e “Transa e outras fodas”, com a banda Calabar refazendo ao vivo o mítico álbum de Caetano Veloso.

Tulipa Ruiz

Formação – Primando pela riqueza e diversidade, aliando tradição e modernidade, a programação do 9º. Lençóis Jazz e Blues Festival traz a São Luís vários mestres, de vertentes diversas da música, pra ninguém botar defeito. Antes dos shows em si, o festival continua a demonstrar preocupação com o intercâmbio e a formação e duas feras ministrarão oficinas dias 9 e 10, na Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (EMEM, Rua da Estrela, Praia Grande): oficina de contrabaixo com Nema Araújo, side man de Ivan Lins, e de bateria e percussão “Ritmos do Brasil”, com Robertinho Silva, lenda viva que ajudou a moldar a sonoridade do Clube da Esquina. Ambas acontecem de 10h às 12h, com inscrições gratuitas.

Programação – A programação das duas noites (10 e 11 de novembro) dedicadas aos espetáculos musicais terá como DJs oficiais Pedro Sobrinho e Vanessa Serra, respectivamente. Na primeira noite, às 19h30, se apresenta a Orquestra Filarmônica Sesc Musicar, resultado de projeto sociocultural desenvolvido pela instituição em comunidades do interior da Ilha; na sequência, às 20h30, o encontro inédito em um palco de três grandes mestres da música instrumental produzida no Maranhão: Arlindo Pipiu, Eliézio do Acordeom e Roquinho, todos virtuoses em seus instrumentos; às 21h30 outro encontro memorável: Robertinho Silva e Nivaldo Ornelas, ex-integrantes do Som Imaginário, responsáveis pela formatação da sonoridade do Clube da Esquina, passearão por um repertório que promete clássicos, inéditas e muito despojamento e improvisação. Fechando a primeira noite se apresenta a americana Andrea Dawson e banda, atração internacional desta edição do festival.

No sábado (11), a partir de 20h30 sobem ao palco Carlos Pial e banda. O percussionista maranhense radicado em Brasília volta à terra natal para mostrar sua “Alquimia dos sons”, bem mais que simplesmente o nome do espetáculo. Depois, às 21h30, é a vez de Cainã Cavalcante e Michael Pipoquinha, cuja pouca idade nem de longe se opõe ao excesso de talento. O encontro de violão e contrabaixo no palco demonstra que, em se tratando de música, essa dupla já nasceu gigante. E encerrando a programação do 9º. Lençóis Jazz e Blues Festival, se apresenta, a partir das 22h30, a cantora Tulipa Ruiz, vinda diretamente dos Estados Unidos, onde está gravando novo disco. Nesta apresentação ela já mostrará ao público algumas faixas de seu novo trabalho, além de músicas que marcam sua trajetória, desde o disco de estreia, “Efêmera” (2010).

Toda a programação do Lençóis Jazz e Blues Festival é gratuita. Ao lado da Concha Acústica Reinaldo Faray haverá feira gourmet, com a venda de sanduíches, cervejas artesanais e outras iguarias, no clima dos maiores festivais do país.

O evento é patrocinado pelo Banco do Nordeste, Cantinho Doce, Fribal, Alpha, Atacadão Menezes, Sesc e Prefeitura de São Luís, com recursos captados através das Leis Rouanet (Governo Federal, Ministério da Cultura) e Estadual de Incentivo à Cultura (Governo do Maranhão, Secretaria de Estado da Cultura e Turismo). Realização de Tutuca Viana Produções, o Lençóis Jazz e Blues Festival conta ainda com o apoio de Concha Acústica Reinaldo Faray, Clara Comunicação, Tory Brindes, Taguatur Turismo e Restaurante Malagueta.

SERVIÇO

O quê: 9º. Lençóis Jazz e Blues Festival – etapa São Luís
Quem: diversas atrações. Programação completa no site http://www.lencoisjazzeblues.com.br
Quando: 9, 10 e 11 de novembro, a partir das 19h
Onde: Concha Acústica Reinaldo Faray (Lagoa da Jansen, dias 10 e 11) e Fanzine Rock Bar (dia 9)
Quanto: grátis.

PROGRAMAÇÃO
Toda a programação do 9º. Lençóis Jazz e Blues Festival é gratuita

OFICINAS DE MÚSICA

9/11 (quinta-feira), das 10h às 12h
Oficina de Contrabaixo com Nema Antunes (RJ)
Local: Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Rua da Estrela, Praia Grande)

10/11 (sexta-feira), das 10h às 12h
Oficina de Percussão e Bateria “Ritmos do Brasil” com Robertinho Silva (RJ)
Local: Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Rua da Estrela, Praia Grande)

ABERTURA DO FESTIVAL

9/11 (quinta-feira), às 19h
Local: Fanzine Rock Bar (Praça Manoel Beckman, Av. Beira Mar, Centro)
19h: Lançamento da biografia “Belchior – Apenas um Rapaz Latino-Americano” (Editora Todavia, 2017), do jornalista Jotabê Medeiros. Com bate-papo e sessão de autógrafos do autor
21h: Show “Tributo a Belchior”, com Milla Camões, Tássia Campos, Tutuca Viana e Marconi Rezende
22h: Show “Transa e outras fodas”, com a banda Calabar

 CONCHA ACÚSTICA REINALDO FARAY

10/11 (sexta-feira)
DJ Pedro Sobrinho
19h30: Orquestra Filarmônica do Sesc – Musicar (MA)
20h30: Arlindo Pipiu, Eliézio do Acordeom e Roquinho (MA)
21h30: Robertinho Silva Trio convida Nivaldo Ornelas (RJ/MG)
22h30: Andrea Dawson e banda (EUA)

11/11 (sábado)
DJ Vanessa Serra
20h30: Carlos Pial e banda (MA)
21h30: Cainã Cavalcante e Michael Pipoquinha (CE)
22h30: Tulipa Ruiz (SP)